INTRODUÇÃO. O cordeiro pascoal era um “sacrifício”a servir de substituto do primogênito; isto prenuncia a morte de Cristo em substituição à morte do crente, Rm 3.25. Paulo chama Cristo nosso cordeiro da páscoa, que foi sacrificado por nós. A ceia foi instituída por Cristo após ter celebrado a última páscoa e seu significado para nós é como memorial desse sacrifício feito uma única vez, que vale para sempre e, também, para que recordemos que em breve Ele voltará para buscar a sua igreja, I Co 11.26.

I. ANTECEDENTES HISTÓRICOS DA ÚLTIMA CEIA. Descrita em quatro trechos bíblicos, a importância da ceia relaciona-se com o passado, o presente e o futuro. Desde a partida do Egito, os hebreus(que após foram chamados judeus), celebram a Páscoa todos os anos, na primavera( em data aproximada da sexta-feira santa). Páscoa, do termo hebraico pesah,  significa “passar por cima”. Como os israelitas habitavam no Egito, para escapar do anjo destruidor, que deveria ferir de morte os primogênitos, a derradeira praga, aquela que não deixaria nenhuma alternativa aos egípcios, Deus deu ordem ao seu povo, e a obediência a essa ordem traria proteção divina a cada família dos hebreus com seus primogênitos. Cada família teria de tomar um cordeiro macho de um ano, sem defeito e sacrificá-lo ao entardecer do dia quinze do mês de Abibe, parte do sangue sacrificado, os israelitas deviam aspergir nas duas ombreiras e na verga da porta de cada casa. Quando o destruidor passasse por aquela terra, ele passaria por cima daquelas casas que tivessem o sangue aspergido sobre elas. Assim, pelo sangue do cordeiro morto, todos os israelitas foram protegidos. da condenação à morte executada contra todos os primogênitos egípcios. Não porque Deus  não tivesse outra forma de distinguir os israelitas dos egípcios, mas para ensinar a importância da obediência e da redenção pelo sangue, preparando-os para o advento do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, Jo 1.29.

II. A CELEBRAÇÃO DA ÚLTIMA CEIA. O Senhor pede para que seus discípulos vão até à cidade,  e através de sua onisciência, diz que encontrarão lá um homem levando um cântaro de água, fato incomum, pois era trabalho feito por mulher e, por isso, seria notado facilmente pelos discípulos, Deviam seguir o tal homem e entrarem na casa em que ele entrasse, e tudo ocorreu como havia previsto. Assim naquela noite substituiu a páscoa( na qual era sacrificado um cordeiro comum), pela Ceia ( cujo cordeiro seria Ele próprio, o único sacrifício que seria feito somente uma vez com validade eterna).

III. OS ELEMENTOS DA ÚLTIMA CEIA. Pão e cálice:  esses elementos  significam o corpo e o sangue de Jesus, representações simbólicas  utilizadas pelo Senhor quando celebrou a ceia no aposento com seus discípulos, antecedendo a sua morte. que também utilizamos mensalmente nas nossas reuniões. Comer o pão e beber o cálice significam proclamar e aceitar os benefícios da morte sacrificial de Cristo.

CONCLUINDO. A celebração da Ceia é um dos maiores cultos da igreja, não devemos deixar de participar desse ato tão importante, pois ao participarmos, confirmamos que NELE cremos e que aguardamos a sua vinda, I Co 11.26. Nos fortalecemos e ratificamos que nossa fé está intacta e participamos da vida de Jesus, Jo 6.56. Quando participamos da Ceia do Senhor,  memorizamos a sua morte e vemos que ela é  motivação para não cairmos em pecado e para nos abstermos de toda aparência do mal, I Ts 5.22.