INTRODUÇÃO. “Justo”, Gn. 6.9, é uma referência às ações de Noé em relação aos outros homens. Noé era “íntegro de coração” em seu relacionamento com Deus. O mundo estava completamente perdido, morto em pecados e ofensas nos dias de Noé, o espírito de Lameque dominava os homens daquela geração, menos um homem, Noé, por isso Deus o chama para realizar uma grande obra: “um recomeço”, após a execução do juízo pelas águas do dilúvio.

I. DEUS ANUNCIA O DILÚVIO. Era já tempo de Deus por um fim àquela situação de extrema corrupção, então declarou a Noé que o fim de toda carne havia chegado, e propôs a construção da arca como único meio de conservar em vida ele e sua família,  que não haviam se contaminado com aquela geração condenada. Família que recebe orientação do Senhor e obedece a Sua Palavra, em breve será recolhida e levada para o céu.

II. A CONSTRUÇÃO DA ARCA. Há detalhes nas instruções para a construção da arca. Deus é sábio, toda a dimensão da grande embarcação era suficiente para comportar  a família de Noé e todos os animais que seriam preservados também. Tudo foi pensado no projeto vindo de Deus, como em tudo os planos de DELE são perfeitos. O grande barco além de acolher a todos, foi  trabalhado nos mínimos detalhes para abrigar a todos, sem risco de naufrágio. Não  fora construído para navegar, mas para flutuar até o fim de cento e cinquenta dias.

III – IV. O DILÚVIO / O JUÍZO DE DEUS. Seja como catástrofe natural ou como acontecimento milagroso, foi conduzido por Deus. As fontes do grande abismo, refere-se às águas do mar invadindo a terra, possivelmente com atividade vulcânica, como parte do cataclismo. “As comportas do céu se abriram” é a descrição de uma chuva torrencial. Com certeza o dilúvio foi universal, bem maior que um tsunami ou qualquer catástrofe que temos presenciado atualmente pelo mundo, porém os que estavam na arca estavam protegidos. Não será diferente dos acontecimentos previstos nas Escrituras para a presente era, pois como nos dias de Noé, casavam-se e davam-se em casamento, ou seja, viviam apenas preocupados com as coisas terrenas, mas não queriam compromisso com as coisas de Deus. Hoje chegam até a dizer:”quando for velho/velha irei para alguma igreja”, dar o resto para Deus, mas Deus não se deixa escarnecer, tudo o que o homem semear isso também colherá”. Todos os que se recusaram a dar ouvidos a Noé foram mortos pelas águas do dilúvio, porém os que estavam na arca salvaram-se da gigantesca catástrofe.

CONCLUINDO.É bom que continuemos pregando a salvação para levarmos o maior número possível de almas a Cristo, quantos estão alheios aos futuros eventos, desviados do evangelho em grande quantidade, pois não vai tardar a volta do Senhor, e a grande tribulação, após o arrebatamento dos salvos, será um período insuportável, não valerá a pena enfrentá-lo. Pensemos nisto!

Bibliografia consultada:

A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, estudo, 2ª edição, Barueri, SP Sociedade Bíblica do Brasil, 2009.