INTRODUÇÃO. O mundo dessa época era parecido com o atual, pelos relatos bíblicos  as pessoas gozavam de saúde invejável, avanços tecnológicos, não faltava alimentos na mesa deles, podemos dizer. No entanto ignoravam a existência de Deus, como se dele não necessitassem. Isso é um retrato dos dias atuais, Lameque era um protagonista desse estilo de vida independente de responsabilidades, compromisso com a verdade e fidelidade. Parece que a violência era banalizada, exatamente igual a hoje.

I. UM MUNDO AINDA MARAVILHOSO. Apesar da queda de Adão e Eva, Deus proporciona aos habitantes da Terra uma vida próspera, pois o solo era fértil, mesmo sendo amaldiçoado. A natureza era perfeita em todos os aspectos. Havia longevidade, embora pecadoras, as pessoas viviam centenas de anos, a saúde era abundante, no entanto era tão farta a vida que aqueles habitantes não reconheciam que o Senhor havia criado todas as coisas. Quem sabe foi aí que teve início o ateísmo. Infelizmente há uma tremenda inversão de valores nisso, pois se reconhecemos que Deus tudo criou e digno é de ser glorificado, o benefício será muito maior ainda, pois há uma vida que não será apenas longa, mas eterna e sem sofrimento, no céu.

II. UM MUNDO TOTALMENTE DEPRAVADO. No mundo de Lameque , descendente de Caim, a depravação era gigantesca, e isso era tido como algo até apreciado pelas pessoas que habitavam o mundo de então. O índice de violência era exagerado e seus protagonistas não tinham escrúpulos. Lameque  declamava em versos seus atos de violência. Até parece que na época algo do nosso tempo já acontecia, uma espécie de “é proibido proibir”, pois a prática sexual acontecia sem nenhuma regra, ou seja, sem limites. A família até parece que deixou de ser uma instituição  divina. Quando a imoralidade é sem controle, até os filhos de Deus inadvertidamente deixam de vigiar e são engodados pelo espírito de infidelidade e rebeldia, como os descendentes de Sete (Gn. 6.2).

III. UM MUNDO CONDENADO À DESTRUIÇÃO. Noé, cujo nome significa repouso, filho  de Lameque e neto de Metusalém, pela sua retidão de caráter achou graça aos olhos de Deus. Quando a maldade dos homens trouxeram a calamidade do dilúvio, foi Noé avisado e instruído para construir uma arca, para sua salvação e de sua família. Noé, juntamente com a sua mulher, seus filhos e suas noras, entrou na arca que flutuou sobre as águas pelo espaço de cento e cinquenta dias antes de pousar no monte Ararate. Durante o tempo que antecedeu o dilúvio, Noé condenou através da sua pregação e testemunho, todos os atos pecaminosos daquela geração. Provavelmente foi tido como caduco. Em Gênesis 6 v. 13, o Senhor decreta “o fim de toda carne”, pois havia chegado ao extremo a corrupção do gênero humano. Não era diferente dos dia de hoje, o pecado até virou moda, os valores são tão invertidos que, se nós que cremos no Senhor Jesus e por Ele fomos libertos do pecado, através do conhecimento da verdade, (Jo. 8.32), não vigiarmos poderemos achar também que o pecado é algo inofensivo. Vamos vigiar e orar!

CONCLUINDO. Como já disse, vamos orar e muito vigiar para evitar essa contaminação com o pecado. O mundo, ou seja, as pessoas que ainda não venceram o mundo de pecado, precisam continuar a nos ouvir, mas esperamos que muitos aceitem e não rejeitem, como nos dias de Noé, a mensagem de salvação. Vale a pena não nos calarmos quando o assunto é salvação.

Bibliografia consultada:,

Dicionário Bíblico Conhecendo e Entendendo a Palavra de Deus, Editora Didática Paulista, 2006.