INTRODUÇÃO. Enfurecido pela inveja, Caim matou seu irmão Abel; então Deus o amaldiçoou e o mandou embora. Temendo ser assassinado também, Caim implorou por proteção e a resposta foi que quem o matasse receberia vingança do próprio Senhor. Colocou nele um “sinal” que protegeria sua vida e declarou a todos que a vida vem de Deus(Gn. 4. 1-15. Neste capítulo há o registro do primeiro homicídio, situação muito infeliz, praticado pelo primeiro filho de Adão, Caim. Esse fato deixa claro que o mesmo era do maligno.

I.CAIM, SEGUIDOR DE SATANÁS. O nascimento de Caim pode ser considerado como uma bênção, quando pensamos na felicidade da mãe ao expressar:”alcancei do Senhor um varão”, no entanto o filho não correspondeu às expectativas do casal que saíra do Éden, por consequência da queda. Satanás anda em derredor buscando a quem tragar possa, e Caim foi presa fácil, pois não vivia como verdadeiro seguidor de Deus, como sua mãe que louvou ao Senhor por ocasião da sua chegada ao mundo.

II. O CULTO DE CAIM. Abel apresentou as primícias de seu rebanho – uma ovelha – como oferta a Deus e, ao fazer isso, honrou a Palavra de Deus(Hb. 11.4). Deus aceitou a oferta e o elogiou. Caim escolheu sua própria oferta que foi rejeitada por Deus. Abel também incluiu porções de gordura, o que juntamente com a referência a “primícias” indicou que ele ofereceu o que de melhor possuía. Caim, por sua vez, apresentou sua oferta “ao final da colheita” ou simplesmente porque era a época de ofertas. Deus exige que suas ordens sejam cumpridas à sua maneira. Além de que, Abel apresentou seu sacrifício com um coração sincero e Caim, não.

III. CAIM NÃO GUARDOU O SEU IRMÃO. Através de uma grande traição, Caim matou seu irmão e ainda tentou esconder o seu ato, pois levou-o até um local que talvez pensasse que não seria visto por ninguém. O sangue de Abel falou, e falou muito alto, pois o Senhor presenciou tudo através da sua onisciência, ninguém se esconde da sua presença. É preciso pensar, e pensar muito bem em nossas atitudes, pois Satanás espalha o ódio, rancor, inveja até entre os próprios irmão na fé. Não apenas vivamos falando de amor, mas praticá-lo. assim se agradará Deus de nossas ofertas.

CONCLUINDO. Aprendemos muito com essa história. É bom vivermos com Deus em todo o tempo, o inimigo quer se apoderar dos crentes, principalmente por achar que já conseguiu dominar as pessoas neste mundo, e quer convencer que dá para fazer as coisas para Deus relaxadamente, levar qualquer oferta, que isso não tem importância, mas devemos nos lembrar, Abel agradou porque se preocupou em ofertar o melhor, façamos assim também!

BIBLIOGRAFIA

A Bíblia da Mulher, 2. ed., 1988. Sociedade Bíblica do Brasil.