INTRODUÇÃO. Eis uma grande e necessária exigência  para quem aspira ao ministério da palavra:  estarem aptos para isso. Ser irrepreensível, quer dizer, ter conduta aprovada e isso inclui:  vida conjugal,  vida doméstica, vida social e no trabalho. O pastorado e o diaconato são as funções ministeriais de grande relevância nas palavras de Paulo na primeira Carta Pastoral a Timóteo, no capítulo 3.

I. QUEM DESEJA O EPISCOPADO. É preciso entender que desejar o episcopado ou o pastorado é algo muito especial, porém é preciso, além da chamada, ter preparo para isso. E isso o próprio Senhor se encarrega de fazer, pois capacita os que chama. Não se pode desejá-lo por vaidade de assumir uma posição como se fosse a liderança de uma empresa, por exemplo, pois o pastorado é dado por Deus, Ele dá pastores para a igreja. Os que são chamados, por sua vez, devem se dedicar para fazer o melhor. Estarem em dia com a palavra de Deus é essencial, pois irão ministrar ao povo e isso requer estudo da Palavra, além de oração constante para se livrar da astutas ciladas do Diabo, pois o adversário persegue os obreiros com a finalidade de desmoralizá-los, seu intuito é de dispersar as ovelhas, veja o que diz  João cap. 10 v. 10.

II. QUALIFICAÇÕES E ATRIBUIÇÕES DOS PASTORES E DIÁCONOS.Transgressões graves, imoralidades, nenhuma dessas acusações pode haver contra os candidatos ao ministério. Pelo contrário, deve ser homem de reputação irrepreensível, cujo significado literal é:”nada pode atingi-lo”, entre os membros da igreja e também os de fora. Por servir de modelo para todos seguirem, não devem ter problemas morais, habituais ou acidentais. Entre as atribuições para os que aspiram ao ministério, há os deveres para com a família, ser casado, vida conjugal regular, há uma lista considerável dos deveres. O relacionamento desses servos de Deus com as pessoas deve ser de acolhimento e hospitalidade com imparcialidade.

III. O DIACONATO.  Os conselhos de Paulo para o diácono são semelhantes aos do pastor. A palavra diácono significa “servo”, conforme o original. Pelo significado, já podemos notar que diz respeito a trabalho, serviço. No mundo grego, a palavra era utilizada para descrever o trabalho de um escravo ou servidor religioso. Quando a igreja do Novo Testamento estabeleceu a diaconia, foi para suprir necessidades sociais e administrativas. A origem do diácono na igreja cristã é relacionada às decisões de Atos 6. 1-6. A escolha, conforme esta passagem, requer que os que ocuparão essa função, sejam homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, além de possuírem bom testemunho ético e moral e que cuidem bem da sua família. As igrejas que não seguem essas importantes orientações quanto à escolha de diáconos estão cometendo um grande erro.

IV. SERVIÇO – RAZÃO DE SER DO MINISTÉRIO. Tanto pastor quanto diácono têm de saber que seu dever é servir, espelhando-se no Mestre. O tema do Evangelho de  Marcos é: “Jesus, o Filho- Servo”, sendo Senhor veio para servir e ainda dar Sua própria vida em nosso favor, Mc 10. 45.  Alguém certa vez disse: “Quem não nasceu para servir não seve para viver”, é bom que aqueles que desejam o episcopado ou pastorado pensem bem se desejam verdadeiramente servir, e não ser servido.

CONCLUINDO. O que é muito importante guardar dessas lição? Que todos devemos saber nossa função no reino de Deus e servir da melhor maneira. E, para isso, entendermos que a recompensa virá do Senhor que não é injusto, pois não é homem para que minta, e que dará a cada um segundo as suas obras. É bom trabalharmos, sendo firmes e constantes na obra do Senhor, pois, o nosso trabalho não é vão no Senhor, I Co. 15. 58. Portanto é melhor servir do que ser servido. Amém!

Bibliografia consultada: DicionárioBíblico – Conhecendo e Entendendo a Palavra de Deus. Ed.didática paulista.

BEP – Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.