INTRODUÇÃO. Talvez poucos não conheçam a história de José do Egito, tão envolvente que já foi objeto de muitas produções cinematográficas, no entanto, estas podem ser consideradas  insuficientes para contar com fidelidade tanto a história quanto os desdobramentos desta. Esse trimestre está sendo fechado com chave de ouro, pois a singularidade desse relato é muito grande.

I. A HISTÓRIA DE JOSÉ. José, cujo nome significa ” O Senhor acrescenta”, era filho do patriarca Jacó com Raquel, nasceu após Raquel ter esperado em vão por um filho. Os filhos da mulher favorita de Jacó foram José e Benjamim, sendo cada um deles objeto de profunda afeição de seus pais. Em virtude desta parcialidade surgiram acontecimentos de grande importância. A preferência de Jacó por José causa muito ciúme e ódio em seus irmãos mais velhos, a túnica de muitas cores, por exemplo fazia com que José se destacasse dos outros, além de ser ele portador de recados ao pai do comportamento de seus irmãos no trabalho. Outra característica de José eram os sonhos significativos, que Deus lhe concedia, porém causadores de polêmica entre os outros filhos de Jacó.

II. UM ESCRAVO CHAMADO JOSÉ. Raquel já havia morrido quando José contava dezessete anos, assim dependia de Jacó o cuidado com os dois filhos favoritos. A primeira tentativa de ataque contra José pelos seus irmãos era a de matá-lo, porém foram impedidos por Rúben, com a ajuda de Judá, não podendo contudo evitar que fosse vendido como escravo. A túnica que Jacó havia dado a José foi levada como prova de possível ataque de uma fera, com manchas de sangue de um animal, o que fez com que Jacó ficasse desconsolado pela perda, não somente de um filho, mas de um filho predileto. Podemos tirar uma lição disso, que a predileção por um determinado filho pode existir, mas causa conflitos familiares, portanto, devemos ter cuidado. Sabemos que todas a coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados pelo seu decreto,(Rm.8.28). Os acontecimentos na vida de José faziam parte do plano de Deus para conservação de seu povo. No Egito, José foi colocado em lugar de honra, porém a sua fidelidade a Deus atenderam a todos os requisitos necessários para o sucesso que alcançou.

III. UM LUGAR DE REFÚGIO PARA ISRAEL. A história emocionante de José começa a tomar rumos interessantes, injustamente fora condenado, e lá na prisão começa sua escalada rumo ao patamar mais elevado depois do posto de faraó, o de governador de todo o Egito,uma espécie de  primeiro-ministro. Só Deus pode realizar tão grande feito na vida do crente. Interpretou dois sonhos de pessoas de confiança do rei que, por deslizes, foram lançados na prisão. Cumpriram-se ambos os sonhos e, o que saíra bem, o copeiro-mor lembrou-se de José, tempos depois, quando mais uma vez em nome do Senhor daria a fiel interpretação, desta feita ao sonho confuso do rei. Além disso, Deus o havia dotado de grande sabedoria para administrar a última colheita, antes da seca de sete anos, só poderia ter o reconhecimento do mandatário máximo da nação para ser o escolhido, ninguém melhor do que ele, mesmo porque Deus estava no controle de tudo. Seu governo foi uma bênção para todos os povos inclusive para o seu próprio povo. Após  testes aplicados em seus irmãos que o haviam vendido como escravo ao Egito, José revela-se a seus irmãos e sua família é convidada para mudar-se para o Egito e, assim operou o Senhor grande livramento e conservação do seu povo.

CONCLUINDO. Ao encerrar esse trimestre, devemos refletir muito em nossa trajetória de vida, inspirados na história de  José que encerra o estudo no livro de Gênesis com chave de ouro. Uma das histórias mais lindas da Bíblia que nos inspira a não desistir dos sonhos, claro que  Jesus deve ter o primeiro lugar em tudo na nossa vida, e se formos fiéis nenhuma adversidade vai nos impedir de ter nossos sonhos realizados.

BIBLIOGRAFIA: Dicionário Bíblico Conhecendo e Entendendo a Palavra de Deus, Editora Didática Paulista, 2006.