INTRODUÇÃO. A torre de Babel foi uma tentativa errônea que tinha como objetivo promover a permanência de todos os moradores da terra num único lugar, o que era uma desobediência à ordem de Deus para que se espalhassem(Gn. 1 .28). Considerando que a separação das línguas já havia sido mencionada(Gn. 10.5)esses eventos devem ter ocorrido logo após o dilúvio. Moisés registra as nações antes de contar os acontecimentos que causaram a divisão.

I. A TORRE DE BABEL. Essa torre era uma rebelião contra Deus. Sua construção e a intensão de que a mesma tocasse os céus sugere, figuradamente, uma ambição desmedida. O propósito dos construtores em permanecerem juntos e a aspiração de alcançar o céu contrastam diretamente com a vontade de Deus para que se espalhassem sobre a terra e a cultivassem. A terra até então possuiA apenas uma língua, especula-se tratar-se do hebraico, o que não é provável. Era uma forma de promover mais rapidamente a apostasia, portanto, não era do agrado de Deus, que imediatamente tomou providências para que não tivessem êxito(Gn. 11.7-8). Deus está atento aos projetos humanos e, cabe a nós também buscarmos construir sabiamente qualquer projeto, consultando sempre o Criador que em tudo nos dará discernimento.

II. A CONFUSÃO DE LÍNGUAS.  Deus frustrou o propósito deles, multiplicando idiomas em seu meio, de tal maneira que não podiam comunicar-se entre si. Isso deu origem à diversidade de idiomas e raças no mundo. Nesse tempo a raça humana deixando a Deus voltou-se para a idolatria, a feitiçaria e a astrologia. Como a confusão de línguas tenha causado desentendimento, os descendentes de Noé afastaram-se uns dos outros e formaram novos grupos por causa da variedade linguística que agora possuíam.

III. A MULTIPLICIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL. Se hoje temos diversidades culturais, linguísticas e geográficas foi por causa da ambição desenfreada da humanidade, que sempre quer conquistar tudo sem incluir em seus projetos o Deus Criador. Alheios à vontade de Deus, assim caminha essa humanidade. As fronteiras existentes entre os povos no planeta tiveram origem no seu afastamento do Todo Poderoso, a partir do episódio lamentável da torre de confusão, isto é, de Babel. Nome esse que originou “Babilônia” usada em toda a Bíblia como símbolo de orgulho e rebeldia contra Deus.

CONCLUSÃO. Graças a Deus que nos tempos do Novo Testamento, a igreja proclama o Evangelho, que é poder de Deus, e um grande número de almas têm sido alcançadas em todo o mundo, vencendo até mesmo as barreiras do idiomas diversos. O Espírito Santo tem capacitado homens e mulheres para essa grande obra, e em breve falaremos um idioma único, que ainda não sabemos qual será, mas com certeza o Senhor  ensinará a nós e a todos os que amarem a Sua vinda.

BIBLIOGRAFIA

Bíblia Da Mulher, 2. ed. Barueri, SP, 2009: Sociedade Bíblica do Brasil.

Bíblia de Estudo Pentecostal, Rio de Janeiro, 1995: CPAD.